< VOLTAR

Uma boa saúde mental é fundamental para o sucesso da terapia da Fibromialgia

Publicado 04/04/2017
Convivo Bem

Estudo recente utilizou um modelo estatístico avançado para examinar como a interação de vários fatores - físico, psicológico e social - afeta a qualidade de vida, e em especial a saúde dos pacientes com Fibromialgia.

Pacientes com melhor capacidade física e confiantes de que podem controlar as situações relacionadas à sua doença têm melhor pontuação nos índices de qualidade de vida física. Ao mesmo tempo, a menor capacidade física, a depressão e a ansiedade afetam o seu bem-estar mental.

O estudo, “Determinants of quality of life in patients with fibromyalgia: A structural equation modeling approach,” também observou que um melhor tratamento de saúde mental pode melhorar a qualidade de vida emocional, bem como física dos pacientes. A pesquisa foi publicada na revista PLOS ONE.

Embora muitos estudos tenham pesquisado a qualidade de vida entre os pacientes com Fibromialgia, pesquisadores do Chonnam National University, na Coreia, observaram que a maior parte das pesquisas examinaram a influência de um ou poucos fatores de cada vez.

Estudos têm demonstrado que a qualidade de vida em pacientes com Fibromialgia é pior do que em pacientes com outras doenças crônicas, incluindo artrite reumatoide e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

A equipe usou um método que pôde levar em conta vários fatores contribuintes ao mesmo tempo, bem como as relações entre eles.

Eles avaliaram a qualidade de vida relacionada à saúde, deficiência física, depressão, ansiedade, apoio social e auto eficácia (a confiança dos pacientes em controlar situações que podem influenciar no impacto da sua doença) em 336 pacientes, dos quais 89,6% eram mulheres.

A ferramenta de qualidade de vida que utilizaram foi capaz de distinguir entre fatores físicos e mentais que afetam os pacientes. O fraco estado de saúde relacionado com a Fibromialgia e a baixa confiança na capacidade de controlar o impacto da doença estavam ligados à má qualidade de vida física. O mais importante, no entanto, é que a depressão e a ansiedade também afetaram o bem-estar físico.

Por outro lado, a qualidade de vida mental foi afetada por todos os fatores investigados pelos pesquisadores, incluindo a qualidade de vida física.

O estudo mostrou que os fatores interagiram uns com os outros de forma complexa. A depressão estava ligada a todos os outros fatores, assim como a ansiedade. Além disso, o suporte social estava ligado a todos os outros fatores, exceto ao parâmetro físico do bem-estar.

Em conclusão, a QVRS [qualidade de vida relacionada à saúde] em pacientes com FM foi afetada por variáveis ​​físicas, sociais e psicológicas.

Os resultados reforçam que o tratamento da Fibromialgia precisa levar em consideração mais do que apenas os sintomas óbvios relacionados à dor. Os tratamentos médicos, bem como as intervenções não médicas que melhoram a saúde mental, podem também ajudar a melhorar as medidas físicas da doença.

Fonte: Determinants of quality of life in patients with fibromyalgia: A structural equation modeling approach. Lee J.W., Lee K.E., e cols. PLoS One. 2017 Feb. 3;12(2):e0171186.