< VOLTAR

7 dicas para dormir melhor com fibromialgia

Publicado 05/10/2018
Notícias

Quem tem fibromialgia sabe: a dor te impede de dormir bem e quando não descansamos adequadamente, a dor piora. É um ciclo que parece não ter fim. No entanto, algumas manobras comportamentais podem ajudar a melhorar a higiene do sono e minimizar esses problemas.

De modo geral, dormir é benéfico para o funcionamento de todo o corpo. É durante o sono reparador que o nosso organismo se recupera e equilibra as funções vitais. Por exemplo, uma boa noite de sono previne AVC (derrame cerebral), diabetes, enxaqueca crônica, hipertensão, infarto e obesidade. Além disso, as horas de repouso são essenciais para o nosso cérebro armazenar as informações mais importantes que recebemos durante o dia. É por isso que quem dorme mal relata problemas como perda de memória, baixa imunidade, déficit de atenção, e tantos outros.

No caso específico da fibromialgia, como ela gera rigidez muscular, articular e dor generalizada, dificilmente a pessoa consegue atingir o nível do sono reparador, fazendo com que tenha dificuldades para dormir, ou acorde muitas vezes durante a noite, o que causa a sensação de cansaço constante independentemente da quantidade de horas dormidas.

Sabendo disso, separamos algumas dicas que podem te ajudar a melhorar a higiene do seu sono:

1. Durma o necessário para o seu corpo se recompor – não menos ou mais que isso;
2. Prepare o ambiente para dormir: mantenha a temperatura do ambiente agradável, diminua (ou apague) as luzes um pouco antes de deitar;
3. Pratique atividades que promovam o relaxamento, como acupuntura, ler, fazer exercícios, técnicas de respiração, massagem;
4. Evite estresse. Sabemos que essa parte é bastante difícil, mas ao se deparar com alguma situação conflitante, tente encontrar uma saída. Por exemplo: contar até 10 devagar; respirar fundo várias vezes, até perceber que o coração desacelerou; sair do ambiente e voltar quando estiver mais calmo;
5. Crie um diário do sono. Anotar como você dormiu todas as noites e o que fez antes pode te dar uma visão do que pode estar prejudicando o seu sono;
6. Evite alimentos e bebidas com cafeína e/ou álcool antes de deitar;
7. Converse com o seu médico. Apresente a sua dificuldade a ele, questione se os remédios podem ter este efeito colateral, conte o que você tem feito para driblar isso e avaliem novas possibilidades.

O importante é não desistir e testar todas as alternativas até encontrar aquela a qual seu corpo responde melhor. 

Este texto não substitui a consulta médica. Somente o especialista pode te orientar sobre qualquer tipo de tratamento e medicação.